Pesquisar neste blog

 


ARQUIVOS

Agosto 2012

Março 2008

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004


POSTS RECENTES

Cancro - Português ajuda...

Ferraris Falsos

O Português que foi admit...

O MEL E A CANELA

Último dia de trabalho do...

ANEDOTAS

Enganos

Funcionária da TAP

Coisas de Psicólogo

Para rir um pouco..


ÚLT. COMENTÁRIOS

Para quando?
gostaria de saber as medidas certas para se tomar ...
Achei uma gracinha todos estss comentários. Realme...
amei!!!!!!!!!!!!!!kkkkkk quem fala o que quer... e...
Carissímos senhores,já não posso pedir desculpas p...


POSTS MAIS COMENTADOS

51 comentários
6 comentários
5 comentários
4 comentários
blogs SAPO
Sexta-feira, 28 de Outubro de 2005

Texto de 1896

É impressionante como nada, ou quase nada muda. Por isso continuamos, cada vez mais, na cauda da Europa. Para leitura... e reflexão 1896?

" Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta (...)

Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta ate à medula, não descriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados (?) na vida intima, descambam na vida publica em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira a falsificação, da violência ao roubo, donde provém que na politica portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro (...)

Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e este, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do pais, e exercido ao acaso da herança, pelo primeiro que sai dum ventre, como da roda duma lotaria.

A justiça ao arbítrio da Politica, torcendo lhe a vara ao ponto de fazer dela saca rolhas; Dois partidos (...), sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes (...) vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se amalgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar (...)" Guerra Junqueiro, in "Pátria", escrito em 1896.

go_up.gif  Voltar ao topo

Publicado por: Ferreira Santos às 22:39
link do post | Comentar | favorito