Pesquisar neste blog

 


ARQUIVOS

Agosto 2012

Março 2008

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004


POSTS RECENTES

Cancro - Português ajuda...

Ferraris Falsos

O Português que foi admit...

O MEL E A CANELA

Último dia de trabalho do...

ANEDOTAS

Enganos

Funcionária da TAP

Coisas de Psicólogo

Para rir um pouco..


ÚLT. COMENTÁRIOS

Para quando?
gostaria de saber as medidas certas para se tomar ...
Achei uma gracinha todos estss comentários. Realme...
amei!!!!!!!!!!!!!!kkkkkk quem fala o que quer... e...
Carissímos senhores,já não posso pedir desculpas p...


POSTS MAIS COMENTADOS

51 comentários
6 comentários
5 comentários
4 comentários
blogs SAPO
Terça-feira, 21 de Agosto de 2012

Cancro - Português ajuda a descobrir como aumentar efeito da quimioterapia

Um investigador português ajudou a descobrir uma forma de tornar

a quimioterapia mais eficaz no combate ao cancro, e de minimizar

os seus efeitos secundários, segundo um estudo publicado na revista Cancer Cell.

 

Uma equipa do Centro de Investigação Vesalius da Universidade Católica de Leuven, na Alemanha, confirmou que o bloqueio de uma enzima (PHD2) normaliza o fluxo sanguíneo ao tumor e melhora a resposta à quimioterapia. O português Rodrigo Leite de Oliveira foi um dos responsáveis pela investigação e assina como primeiro autor do artigo.

Os vasos sanguíneos que irrigam o tumor são naturalmente irregulares, frágeis e disfuncionais, o que dificulta a condução dos fármacos até às células cancerosas e promove a disseminação das células cancerosas e a formação de metástases.

O que este estudo demonstrou foi que, quando a actividade de PHD2 foi reduzida nas células endoteliais dos tumores, a rede vascular tumoral estabilizou e as substâncias utilizadas na quimioterapia foram distribuídas mais uniformemente por todo o tumor, aumentando a sua acção.

Assim, os tumores ficaram mais pequenos e ainda mais sensíveis a doses mais baixas dos fármacos – uma mais-valia na administração de drogas com elevada toxicidade.

A inibição do sensor de oxigénio PHD2 resultou ainda na neutralização dos efeitos secundários da quimioterapia, protegendo a função renal e a função cardíaca, geralmente as mais afectadas pelo uso dos fármacos em questão.

Os investigadores perceberam que esta protecção resultava de um aumento das defesas anti-oxidantes, determinantes para evitar lesões nos órgãos vitais durante os tratamentos de quimioterapia.

Este estudo demonstra pela primeira vez uma dupla estratégia de combate ao cancro: a redução do tumor e das metástases, e a redução significativa dos efeitos secundários associados à quimioterapia.

O passo seguinte será o desenvolvimento de inibidores específicos da molécula PHD2 que permitam a sua aplicação na prática clínica. 

 

 

Dados: www.publico.pt 

 

Publicado por: Ferreira Santos às 16:11
link do post | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres